Follow by Email

terça-feira, 19 de junho de 2012

Ode a uma Ferradura






Esteve ali à mercê do tempo,
semi-sepultada, não morta.
Um ômega carcomido e solitário,
  apartado dos seus
e do verdadeiro destino,
como âncora sem navio.

Deixando coxear
uma cavalgadura,
ficou ali esquecida.
Somente  um cravo
a acompanhara,
já desfigurado e inútil
como a chuva tardia.

Um homem tirou-a da terra,
jogou-a em seu alforje
e seguiu caminho!
Por um momento ela acreditou
que um ferreiro  a devolveria
 à labuta.
Sonhou que ouvia novamente
o tropel sobre as pedras,
arrancando delas
o sangue faiscoso.
E sobre a secura do chão
levantando a  poeira!

Singrou várias léguas,
não tocava o chão.
Ia machucada de ferrugem
soltando pó de sangue e terra.
Não sentia o arrocho dum casco,
nem a companhia das outras...
Não levava, era levada!

Não  servirá a mais nenhuma cavalgada.
veio para dormir o sono dos justos!
Tudo ficou para trás.
Hoje repousa na minha velha porta
junto a uma antiga aldrava
de semelhante forma.

Oh! Essa pequena lira
de sons outrora troantes.
Tive sorte ao encontrá-la!
A inspiração escassa,
as palavras já não vinham...
Dizem que um poeta  morre
se não escreve mais.
Tive sorte ao encontrá-la,
e  me basta essa sorte!



José Alberto Lopes ®
18/06/2012

Um comentário:

  1. Olá, José Alberto!
    Do Recanto pra cá... conhecendo... gostando... seguindo...
    Parabéns, gostei do que li. Volto!
    Bjs!

    ResponderExcluir